Meu Cantinho no Japão

3.8.10

03 de agosto: DIA DO CAPOEIRISTA



Dia do Capoeirista


A capoeira surgiu no início do Brasil colonial, quando havia o sistema escravocrata. Os escravos trazidos da África trouxeram uma dança composta de gestos que imitavam os animais, em que os pés e o gingado do corpo tinham destaque. Era o jogo angolano da "dança das zebras", disputa festiva pelo amor de uma mulher. Formava-se uma roda, em meio ao canto e à dança, e, no centro, dois capoeiristas davam início à luta, cujo vencedor ficava com a amada.

O primeiro canto, entoado geralmente pelo capoeirista mais antigo que fazia parte da roda, é hoje acompanhado não só por berimbaus, mas também por atabaques, ganzás, agogôs e pandeiros.

Em razão da intensidade com que os escravos eram oprimidos e castigados pelos senhores de engenho, e da escassez de armas, os simples gestos dessa dança se transformaram em movimentos de defesa. A observação do comportamento dos animais brasileiros, particularmente o lagarto, a cobra e a onça, que atacam e se defendem com destreza, ajudou os escravos a criarem um conjunto de movimentos que reuniu a agilidade, a técnica e a força, utilizadas inicialmente nas rasteiras, nos pulos, nas cabeçadas que iriam se desenvolver posteriormente. 



 
A origem do nome é controvertida. Alguns dizem que "capoeira" veio do tupi-guarani, com o significado de "descampado em meio ao mato alto ou clareira". Chamava-se, então, de "capoeira" o negro que jogava, porque o mato baixo das capoeiras era ideal para a prática dos movimentos. Em Portugal, "capoeira" é a gaiola na qual são carregados frangos. Assim, capoeira era o nome dado aos negros, porque carregavam frangos para o mercado.
 
A capoeira se divide basicamente em duas correntes: angolana e regional. O ritmo angolano é mais lento e cadenciado. O regional é ligeiro, marcado por uma seqüência de golpes. 



 
Dois anos depois da abolição da escravatura no Brasil, em 1890, um decreto sobre a imigração autorizava a entrada de estrangeiros, mas somente com o consentimento do Congresso Nacional. Então a prática da capoeira passou a ser uma contravenção penal. O jogo, porém, resistiu, sobreviveu e mais tarde transformou-se em cultura popular brasileira. Com isso, surgiram os grandes nomes de célebres capoeiristas, que passaram para a história, como Nascimento Grande, Manduca da Praia, Natividade, Pedro Cobra e Besouro Mangangá, entre outros. 




Atualmente, o capoeirista desenvolve as duas linguagens rítmicas com a mesma capacidade. Acima de tudo, ele aprende a trabalhar diversas facetas da capoeira, tais como arte, dança, luta, jogo, exercício de características acrobáticas, de controle e consciência corporal, de resistência, de força, de criatividade e de flexibilidade.
 
A arte da capoeira, como outras manifestações populares, representa hoje um importante aspecto do folclore brasileiro.






Gisis

2 comentários:

Chica disse...

Linda homenagem à eles!Não sabia desse dia!um beijo,já de volta,chica

Josy Nunes disse...

Oi,
Gisis,
belissíma homenagem amiga, eu baiana que sou, já fiz capoeira por muitos anos e é uma atividade física maravilhosa trabalha o corpo e a mente. É bem legal. E ainda aprendi a tocar o berimbau...beijão no seu coração e fica com Deus