Meu Cantinho no Japão

31.8.10

31 de agosto: DIA DO BLOG!



Parabéns e muitas felicidades a todos os blogueiros da rede!

Gisis


29.8.10

DIA NACIONAL DO COMBATE AO FUMO...MINHA FILHA SALVOU MINHA VIDA...



DIA NACIONAL DO COMBATE AO FUMO...

MINHA FILHA SALVOU MINHA VIDA...
    
Comecei a fumar muito jovem.Naquela época fumar era moda.Que MODA essa que trouxe tantos transtornos.Muito tempo depois fui colhendo os famigerados frutos dessa MODA.Nada me fazia parar.

Achava o cigarro mais um componente de minha vida.Me exponho aqui contando essa história pois quem sabe ,como fui salva em tempo,consiga salvar alguém.Uma frase salvou minha vida."MÃE,MEU PAI JÁ ESTÁ DOENTE,EU SÓ TENHO VOCÊ".Aquilo me tocou profundamente e percebi como eu estava sendo covarde em me deixar dominar por um cigarro.Uma coisinha tão pequena.Nessa hora a minha fé em Deus em primeiro lugar,e a minha força de vontade fizeram com que eu pegasse aquela carteira de cigarros quase cheia e colocasse no fundo de uma gaveta.

Olhei pra aquela carteira de cigarros e lembrei que por duas vezes quase me levou a MORTE.Sim ,por duas vezes.Mesmo assim não aprendi.Podia ter perdido tudo,mas um anjo em minha vida me salvou.Minha FILHA.Hoje posso desfrutar do carinho de minha família e amigos, e acompanhar meu netinho crescer.Tudo isso porque fui forte e venci a MORTE,deixando de fumar.
                  
Sei que é um TEXTO FORTE,porém minha intenção é essa mesma.Alertar aqueles que fumam.PAREM!e VIVAM!OBRIGADA MINHA FILHA,VOCÊ FOI O MEU ANJO SALVADOR!


 Giselda Pereira

              

18.8.10

PRA MINHA FILHA QUERIDA

                                                        M inha nova vida começava


                                                       A  sementinha brotava

                                                       R edesenhando o caminho

                                                       I ndo entre rosas e espinhos

                                                      A  você eu já amava...



                                                    D eus que me deu você

                                                   E  tentei tanto te proteger



                                                   F ases da sua vida

                                                  A mores e desamores

                                                  T anta coisa pra viver

                                                  I ntensos foram os sofrimentos

                                                  M ais também lindos momentos

                                                  A mbos te fizeram crescer...



                                              E continuando escrevo...



                                             Neste acróstico que escrevi

                                            Vários fatos revivi

                                            Muitas foram as jornadas

                                           Algumas não terminadas...



                                           Como torci por você

                                          E hoje emocionada

                                         Vejo você vencer!



                                        Na beleza desse olhar

                                       Que eu nunca enxergue a fraqueza

                                       Que a profissional competente

                                       Eu sempre veja em minha frente

                                       E se dedicando com amor

                                      A todos seus pacientes...



                                                 Giselda Pereira

FAMÍLIA

       Minha família.A base de tudo.O começo.o meio,porém nunca o fim,pois outros entes queridos vão chegando pra acalmar o nosso coração.O amor vence barreiras e transpõe fronteiras.Minha família,minha razão de viver.

PENSAMENTO

                                                                  PENSAMENTO


                                                           Liberdade sem limites

                                                           Posso voar...

                                                           Posso sentir as nuvens

                                                           Em minhas mãos...



                                                           Vejo o rosto de quem amo

                                                           Mesmo estando ausente

                                                           Viajo pra mundos distantes

                                                           E volto quando desejo voltar...



                                                          Pensamento

                                                          Nada o aprisiona

                                                          Fecho meus olhos

                                                          E sigo com os pássaros

                                                          Que enfeitam o céu....



                                                          Olho as águas das cachoeiras

                                                          E vejo que posso também

                                                          Ir naquela correnteza...



                                                         Pensamento

                                                         Algo totalmente seu!

                                                                                                         Giselda Pereira

AMEI

                                                         Por várias vezes amei


                                                         Um amor de cada vez...



                                                        Me entreguei

                                                        Fui feliz...



                                                       Mistérios e fantasias

                                                      Era tudo que eu queria

                                                      Sem medos

                                                      Sempre vivi o Amor...



                                                      Fui mulher

                                                     Amei e fui amada

                                                     Fui amante

                                                     Fui o bastante...



                                                                    Giselda Pereira

15.8.10

ROSTO MOLHADO


ROSTO MOLHADO

R io de lágrimas
O cultando a saudade
S audade que dói
T odo o peito corrói
O amor que se foi...

M omentos
O utrora vividos
L embrados pra sempre
H istória de vida
A mor ausente
D eixando tristeza
O ceano de dor...

Giselda Pereira
Gisis

Publicado no Recanto das Letras em 07/08/2010
Código do texto: T2423527
 

O QUE É O QUE É?



É verde e não é capim.
É branco e não é algodão.
É vermelho e não é sangue
É preto e não é carvão

Sabe não?!...
É a melancia...rs


Que não se come,
mas é bom para se comer?

Também não sabe?...UFA! 
É o talher. rs!


Que mesmo atravessando
o rio consegue não se molhar?

Ah! Esta é fácil demais!  
É a ponte!  
hahahaha...


Me diga se for capaz.
Me diga quem é aquele
que num instante se quebra
se alguém diz o nome dele?

Pensa um pouquinho...é bom pra dormir...
hummmm....
O silêncio!! rsrs..


Passa adiante para os amiguinhos!

Gisis

Um Ano!


Completou o Reino da Fantasia e hoje 
eu trouxe o selinho comemorativo.

soninha

14.8.10

TOMOU AS SUAS GOTINHAS HOJE?!




Não esquenta não,porque se você não tomou hoje,a vacina permanece nos Centros de Saúde e nos Postos.Mas olhe lá...na próxima campanha não vá faltar!

E por falar em vacina,você sabe quem foi que nos livrou da paralisia infantil?

Foi o Dr:Albert Bruce Sabin.Ele nasceu em Białystok-Rússia em 26 de agosto de 1906 e morreu de ataque cardíaco em Washington, 3 de março de 1993;um renomado pesquisador,sendo melhor conhecido por ter desenvolvido a vacina oral,famosa "gotinha" para evitar a poliomielite ou paralisia.

Sabin estudou medicina na Universidade de Nova Iorque e desenvolveu um intenso interesse em pesquisa, especialmente na área de doenças infecciosas. Em 1931, completou o doutorado em medicina. Passou uma temporada trabalhando em Londres em 1934 como representante do Conselho Americano de Pesquisas. De volta aos Estados Unidos, tornou-se pesquisador do Instituto Rockfeller de Pesquisas Médicas. Nesse instituto, demonstrou o crescimento do vírus da poliomielite em tecidos humanos.

Sabin esteve várias vezes no Brasil, acompanhando pessoalmente o combate à poliomielite, tendo se casado em 1972 com a brasileira Heloísa Sabin . Centenas de escolas, hospitais, clínicas e instituições brasileiras levam o seu nome. O cientista recebeu do governo brasileiro, em 1967, a Grã-Cruz do Mérito Nacional.

Com a ameaça da pólio crescendo, após a Segunda Guerra Mundial, ele e outros pesquisadores, notadamente Jonas Salk em Pittsburgh, iniciaram a busca por uma vacina para prevenir ou amenizar a doença . A vacina de Salk, desenvolvida com vírus "inativado ou morto", foi testada e liberada para o uso em 1955. Ela era eficaz na prevenção da maioria das complicações da pólio, mas não prevenia a infecção inicial de acontecer.

A inovação de Sabin aconteceu cerca de cinco anos depois, quando o Serviço Público de Saúde dos Estados Unidos apoiou sua vacina com vírus "vivo" para a pólio em 1961. Seu produto, preparado com o vírus atenuado da pólio, poderia ser tomada oralmente, e prevenia a contração da moléstia. Esta é a vacina que eliminou efetivamente a pólio em quase todo o mundo (exceto em alguns países na África e Ásia).


Gisis

LUA DESLUMBRANTE


LUA DESLUMBRANTE

L ua
U niverso de beleza,
A inspiração dos poetas

D ivina, em todo seu
E splendor
S edutora em todas suas fases
L ua alta,bem distante
U ma luz inebriante
M isteriosa e imponente
B rilhando eternamente
R elembrando no passado
A quele amante apaixonado
N a saudade que deixou
T anta história pra contar
E moção,magia e Amor!

Giselda Pereira

Gisis

Publicado no Recanto das Letras em 10/08/2010

UM GRANDE CAVALHEIRO



Houve um grande reboliço em Madrigueira do Claro, uma cidade habitada por coelhos. Um grande cavalheiro viria morar ali. Ao que parecia, era muito rico e famoso em todo o mundo!

Finalmente, numa manhã de primavera, chegou à cidade o novo vizinho. Todos ficaram admirados de seu traje elegante e da distinção de seus gestos. Na verdade era um grande cavalheiro!

Durante algum tempo, trataram o recém-chegado como um rei.

Ele deixava-se adorar , sem falar mais do que o necessário.

Foi então que aconteceu uma catástrofe. As chuvas intensas tinham causado uma inundação que prejudicara algumas tocas. Organizou-se, então, uma coleta de donativos entre os habitantes. Todos deram a sua contribuição, exceto o "grande cavalheiro", que se negou a doar um único centavo.

A decepção foi enorme entre os vizinhos da aldeia. A partir daquele dia, o rico avarento foi tratado com a maior indiferença. Deixaram-no em tal isolamento, que ele resolveu ir embora.

Começou a afastar-se dali, enquanto os vizinhos estavam reunidos em um prado próximo, para tratar dos assuntos da comunidade. Então, o cavalheiro percebeu que estava saindo fumaça de várias tocas. A cidade estava em chamas!

Rápido como um relâmpago, ele interveio. Conseguiu apagar o fogo em meia hora. Quando souberam da notícia, os vizinhos ficaram muito agradecidos. Mais ainda: quando ouviram as confissões daquele que pensavam ser um grande cavalheiro, concederam-lhe o seu perdão.

Na verdade, ele não era rico. Tinha-se feito passar por uma pessoa de posses para assegurar a amizade de todos. A boa ação que ele praticara é que lhe valeu uma amizade sincera e o reconhecimento dos moradores daquela cidade.


Moral da História: Não devemos fingir o que não somos,em tempo algum.

Autor Desconhecido

13.8.10

UMA LINDA HISTÓRIA DE AMOR...







                                              
                                                    UMA LINDA HISTÓRIA DE AMOR                                



                                                              Anos atrás aconteceu...

                                                              Era uma tarde linda de maio

                                                              Nossos olhos se encontraram...



                                                             Fiquei a pensar então

                                                             Porque esse meu coração

                                                             Insiste em bater assim

                                                             Era algo que ele tinha

                                                             Que tomou conta de mim...



                                                             Acelerado coração

                                                             Porque bateste tão forte

                                                             Me entreguei a própria sorte

                                                             Me entreguei a esse amor...



                                                             Nada mais adiantava

                                                             O que mais ia fazer

                                                             Simplesmente te querer

                                                             E te amar até morrer...



                                                             Tantos anos te amando

                                                             Tantos anos de alegria

                                                             De dia era o calor do Sol

                                                             De noite a Lua nos via...

                                                             E um dia terminarei essa poesia...



                                                             Hoje com dor no coração

                                                             Volto a reler essa poesia

                                                             Precisando terminá-la

                                                             Diferente do que eu pensava

                                                             Em escrever um dia...



                                                             Você partiu e eu fiquei

                                                             Sozinha a recordar

                                                             Coração dilacerado

                                                             Altamente amargurado

                                                             Mas com uma linda história pra contar...



                                                                                  Giselda Pereira

CASARÕES,CASEBRES E LONAS


 PROBLEMA SOCIAL... A MORADIA...



Marquises e mansões

Pobres e ricos

Luminárias dos casarões...

Postes iluminando as lonas



Um mundo...

Onde poucos tem tanto

E muitos quase nada...



Mesa farta no alto

Poucos são os olhos...

Que conseguem enxergar



No asfalto,a fome

Barrigas vazias

Corpos com frio

Vasilhas a esperar serem enchidas



De repente...

Os anjos da noites,os abençoados

É assim que são chamados!


Giselda Pereira

12.8.10

PROBLEMA SOCIAL


Problema Social

Se eu pudesse eu dava um toque em meu destino
Não seria um peregrino nesse imenso mundo cão
Nem o bom menino que vendeu limão
Trabalhou na feira pra comprar seu pão
Não aprendia as maldades que essa vida tem

Mataria a minha fome sem ter que roubar ninguém
Juro que nem conhecia a famosa Funabem
Onde foi a minha morada desde os tempos de neném
É ruim acordar de madrugada pra vender bala no trem
Se eu pudesse eu tocava em meu destino
Hoje eu seria alguém
Seria um intelectual
Mas como não tive chance de ter estudado em colégio legal

Muitos me chamam de pivete
Mas poucos me deram um apoio moral
Se eu pudesse eu não seria um problema social.


Esta música da autoria de Seu Jorge trata de um problema sério relacionado ao jovem e serve como fonte para refletirmos o que é que estamos fazendo para ajudá-los?!

Gisis

DIA NACIONAL DA JUVENTUDE!



Desde 2002, em todo dia 12 de agosto é comemorado o Dia Nacional da Juventude. O projeto determinando a data, de autoria da deputada Alcione Athayde (PSB-RJ), transformou-se na Lei 10.515/02, sancionada pelo ex-presidente da república henrique Cardoso.  De acordo com a deputada, existem hoje no Brasil aproximadamente 35 milhões de jovens, com idade entre 15 e 24 anos.

Para garantir os seus direitos, o jovem não deve jamais se esquecer que tem o dever de lutar por eles: saber reivindicar o direito à educação, ao ingresso no mercado de trabalho, à saúde, à segurança nas ruas, à diversão.

Os direitos dos jovens não devem ficar só no papel; devem fazer parte de suas vidas e jamais serem violados!


Gisis

11.8.10

DIA DA TELEVISÃO: 11 de agosto.




Esta invenção que nos traz notícias em tempo real,
merece um selinho comemorativo para todos os visitantes.

Gisis

O MACACO TRAQUINAS E O QUITANDEIRO NONÔ




O MACACO TRAQUINAS E O QUITANDEIRO NONÔ


O velho Nonô estava muito furioso com o desaparecimento das suas bananas.Ele as comprava  na fazenda do seu Ricardo e revendia na sua quitanda a fim de ganhar uns trocados para ele,a sua velha Nina e a neta Marli. 

Nas últimas semanas as bananas estavam desaparecendo  e ele não tinha conseguido descobrir quem era o ladrão. O velho pensou...pensou..e teve uma ideia:

- Já sei! disse para si mesmo.Eu vou pintar as bananas verdes com aquela tinta amarela que brilha no escuro e assim eu posso descobrir quem é o ladrão,depois que ele pegar as bananas.

Dito e feito! Seu Nonô foi à cidade comprou a tinta e pintou um cacho de bananas verdes.E não é que elas ficaram iguaizinhas às bananas maduras?!!

Deixou o cacho no quartinho nos fundos do seu quintal onde ele as guardava antes de levá-las para a quitanda, e foi dormir.Bem cedinho ele foi ao quartinho e deu por falta do cacho pintado mas teve que esperar a noite chegar a fim de tentar descobrir quem havia roubado.O quitandeiro passou o dia ansioso e,ao cair da tardinha ele já estava passeando pelo povoado,visitando os amigos na intenção de descobrir quem era o ladrão de bananas.




Pois bem, não é que na casa da comadre Maricota tinha um macaquinho todo brilhando por causa de uma tinta amarela?!

Quando ele avistou o macaquinho traquinas brilhando como o sol de verão,ele se dirigiu rapidinho para a casa da sua comadre e foi logo perguntando:

- Comadre Maricota, de quem é este macaquinho tão bonitinho?!

- É nosso compadre Nonô,vosmicê quer ele pro senhor?

- Quero sim,comadre, mas é pra dar uma boa surra neste moleque...

- Por que vosmecê está tão nervoso,compadre?

- Vassuncê não está vendo não comadre?! 

- Vendo o que,compadre?

- A cor do macaco! disse o velho, já com raiva.

- Tô vendo sim senhor,,mas não sei o que foi isso não! respondeu dona Maricota,meio desconfiada.

- Foram as minhas bananas comadre! Foram as minhas bananas! O danado do macaco roubou meu cacho verde que eu pintei pra descobrir quem roubou os outros.

- Vixe Maria, falou sinhá Maricota,se benzendo e falando baixinho: cruz credo...cruz credo!

O quitandeiro nem esperou a velha curar do susto e já tinha pegado o macaco pelo rabo, deu-lhes umas boas  palmadas na sua bundinha murcha, o traquinhas tentava se soltar mas não conseguia e ficava a soltar uns gritos tão altos que o povoado inteiro escutou.




No outro dia todos os moradores dali já sabiam o que havia acontecido e o macaquinho traquinas não mais voltou a roubar as bananas do seu Nonô.Quando ele queria,ele parava na porta da quitanda e ficava olhando o seu Nonô com o olhar "pidão" e o velho que tinha um coração de manteiga,se derretia todo e lá ía ele oferecer uma penca de bananas bem madurinhas para o macaquinho traquinas.

Seu Nonô tem um grande coração e o macaquinho traquinas aprendeu a lição....rs...rs...



Historinha feita com carinho para o blog da minha afilhada Gisis.

bjs,soninha

VOCÊ CONHECE AS JOANINHAS?!




As joaninhas são insetos pequenos e coloridos, muito admirados por sua beleza e, em muitas culturas, símbolos de boa sorte e fartura.



Possuem dois pares de asas. Um par é fino e membranoso e encontra-se sob o outro par de asas, chamadas de élitros, que são duras e resistentes. Os élitros da maioria das espécies de joaninhas possuem cores vibrantes, como amarelo, laranja e vermelho, com pequenos pontos pretos. Porém, algumas apresentam uma coloração escura e uniforme.



Estes insetos medem entre 0,3 mm e 10 mm de comprimento e possuem um par de antenas com função sensorial. As antenas são utilizadas na procura de alimentos, para localização espacial, procura por parceiros reprodutivos, entre outras funções. Para manter as antenas limpas, as joaninhas as esfregam com o primeiro par de patas, e, desta forma, removem resíduos que podem interferir em sua sensibilidade.




As joaninhas se alimentam de pequenos insetos, ácaros, pólen e néctar. Apenas duas espécies se alimentam de tecidos vegetais. Por sua vez, as joaninhas são alimentos para insetos maiores, algumas espécies de pássaros e anfíbios.




Para se proteger, elas contam com algumas estratégias. A coloração vibrante pode atuar como uma forma de aviso ao predador sobre a sua impalatabilidade, ou seja, seu gosto ruim, ou sobre a sua toxicidade, evitando que o predador a ataque. Outra forma de defesa utilizada por algumas espécies é o comportamento de deitar-se com o abdome para cima, seguido da liberação de um líquido com odor desagradável. Dessa forma, a joaninha finge-se de morta e esquiva-se da atenção de seu predador.




As joaninhas são predadoras vorazes de pulgões, alimentando-se tanto da forma adulta quanto da larva. Uma única joaninha pode comer mais de 50 pulgões por dia. Por esse motivo, as joaninhas são freqüentemente utilizadas para realizar o controle biológico desta praga em áreas de cultivo agrícola. Com esse objetivo, centenas de joaninhas são introduzidas na plantação para que, ao se alimentarem dos pulgões, livrem as plantas desse parasita.






10.8.10

AINDA BEBÊ!



Um Mundo Imaginário comemora quatro meses hoje
e agradece a todos pelo carinho das visitas !

Gisis

A MULA


 A MULA


Uma mula, folgadona devido à ausência de trabalho e por causa da grande quantidade de milho que recebia, galopava de um lado para o outro de um modo extravagante e arrogante. Vaidosa e muito confiante, dizia para si mesmo:

- Meu pai com certeza era um valoroso e Belo Raça Pura. Eu sou sua própria imagem em velocidade, resistência, espírito e beleza.

Pouco tempo depois, sendo levado a uma longa jornada como burro de carga, e sentindo-se muito cansado, exclamou em tom desconsolado:

- Acho que cometi um erro. Meu pai, afinal de contas deve Ter sido apenas um simples Asno.

Autor: Esopo

Moral da História:
Ao desejarmos ser o que não somos, estamos plantando em nós a semente da frustração.


Gisis

O BÚZIO



O BÚZIO


Búzio
Porque tens dentro a voz do mar?
Sentes saudades dele?
Quando te encosto ao ouvido
ouço-o sempre a cantar
como uma ondinha distante
batendo na praia ao luar.


Lília da Fonseca

 
 
Lília da Fonseca

Poetisa, escritora e jornalista angolana, Maria Lília Valente da Fonseca Severino nasceu a 21 de Maio de 1916, na cidade de Benguela,faleceu em 1991, em Lisboa.

Gisis

6.8.10

PENSANDO EM VOCÊ PAI...


                                                      PENSANDO EM VOCÊ PAI



                                           Que saudades

                                           Do meu tempo de criança

                                           Quando deitava em seu colo

                                           E sentia sua mão me afagando



                                           O tempo foi passando

                                           Eu fui crescendo e admirando você

                                           Aquele homem

                                           Inteligente, bonito e forte

                                           Era o meu Pai



                                          Que me ouvia nas horas certas

                                          Que me dava força nas horas incertas

                                          Que acalmava meu coração

                                          Que chorava comigo

                                          Quando eu falava dos meus amores e dissabores

                                          Esse era o meu Pai



                                          Nunca esquecerei daquele versinho simples

                                          Que um dia fiz pra você

                                          E você me abraçando falando também chorando

                                          Me disse que outros mais iria ler

                                          Pois tinha toda certeza

                                         Que eu era capaz de escrever

                                         Que saudades PAI...

               
                                                                     Giselda Pereira

5.8.10

SAUDADES DE VOCÊ PAI...

                                                       Não te vi de cabelos grisalhos


                                                       Não deu tempo de você envelhecer

                                                       Foi tão rápido o tempo

                                                       E pouco me viu crescer...



                                                       Eu era tão jovem ainda

                                                       Deixando de ser menina

                                                       Pra uma moça nascer...



                                                       Meu coração despontava

                                                       Pronta pra ser amada

                                                       E seus conselhos receber...



                                                       Você, ali não mais estava

                                                       Em outros jardins andava

                                                       Semeando seu amor...



                                                       Porém várias vezes ouvi

                                                      Acho que desde que nasci

                                                      Parecia até uma música

                                                      Pois você sempre falava...



                                                      Procure amar

                                                      E que você seja amada!



                                                                     Giselda Pereira





                                PRA VOCÊ PAI,COM TODO O MEU CARINHO....SAUDADES!

4.8.10

TEXTO INFORMATIVO...

Uma vez por ano, médicos de São Paulo deixam suas casas para erguer um centro cirúrgico e levar atendimento em saúde para indígenas no Pará.O destino é a reserva do povo sateré-mawé, famoso pelo cultivo do guaraná. "Do olho do sateré nasceu o pé de guaraná. Foi lá que surgiu primeiro pé de guaraná”, diz o agricultor Rubens Batista Garcia. Os indígenas que recebem os médicos são vizinhos do Rio Andirá e comentam a chegada dos visitantes na aldeia. A expedição deu certo após uma parceria dos profissionais da saúde com laboratórios, o Ministério da Defesa e a Força Aérea, segundo a coordenadora de logística da viagem, Marcia Abdala.

De Campinas até a aldeia, os médicos passar por Manaus, Parintins e viajam por 12 horas pelo Rio Amazonas até chegar ao Andirá. Na aldeia, a expedição ajuda a tratar diversas doenças, algumas delas provocadas pela mudança de hábito alimentar entre os indígenas, por conta da diminuição dos peixes no local.

Pesquisa..globoamazonia.com